Conheça os sinais e 7 sintomas do câncer de mama

7 sintomas do câncer de mama

Principalmente a partir de uma determinada idade, toda mulher deve conhecer e estar atenta aos sintomas do câncer de mama. Afinal, a doença é uma das principais causas de morte entre mulheres no Brasil.

Além do autoexame e da realização de mamografias de rastreamento, a observação das mamas e a identificação dos primeiros sinais é fundamental para o diagnóstico precoce. Quando o quadro é descoberto em seus estágios iniciais, há mais chances de tratamento.

Pensando na importância deste assunto, trouxemos neste post uma lista com 7 sintomas do câncer de mama, além de alguns fatores de risco e informações sobre o autoexame. Continue a leitura e saiba mais!

O diagnóstico precoce e as chances de cura

Embora o câncer de mama seja o tipo de câncer mais frequente entre as mulheres em todo o mundo, inclusive no Brasil, grande parte dos casos têm bom prognóstico. No entanto, as chances de cura dependem do tipo de câncer de mama e, principalmente, do estadiamento do tumor, ou seja, o estágio de desenvolvimento da doença.

Para o câncer de mama, os estágios vão de 0 a 4, de acordo com a extensão do tumor. Sendo assim, o quanto antes for realizado o diagnóstico, maiores são as chances de cura, podendo chegar a mais de 90%.

Os quatro estágios do tumor de mama são:

  • 0: presença de células cancerosas ainda nos dutos — quase sempre é curável;
  • 1: tumor menor que 2 cm, sem acometer as glândulas linfáticas das axilas;
  • 3: nódulos maiores que 5 cm, podendo atingir estruturas vizinhas, como pele, músculo e glândulas linfáticas, mas sem ter se espalhado pelo corpo;
  • 4: presença de metástase, independentemente do tamanho do tumor — nesse caso, geralmente, há acometimento das glândulas linfáticas.

Infelizmente, no Brasil, cerca de 60 a 70% dos casos são diagnosticados já no estágio 3 ou 4, o que dificulta o tratamento. Por isso a importância das campanhas de conscientização, como o Outubro Rosa, para orientar a população quanto aos sinais iniciais da doença e à realização de exames preventivos, como a mamografia.

Os fatores de risco

De acordo com o portal do Ministério da Saúde, a incidência de câncer de mama aumenta consideravelmente com a idade. Raro antes dos 35 anos, os riscos aumentam progressivamente a partir dessa idade e consideravelmente após os 50 anos – idade indicada para o início dos exames preventivos anuais nas mulheres em geral.

No entanto, outro fator decisivo é o histórico familiar. Se a paciente tem algum caso da doença na família, deve iniciar as mamografias anuais dez anos antes do caso familiar mais precoce. Ou seja, se a avó foi diagnosticada aos 40 anos, a paciente deve começar os exames de rastreamento aos 30.

Além da idade e da genética, podemos elencar outros fatores de risco para a doença. São eles:

  • menstruação precoce;
  • menopausa tardia;
  • ausência de gravidez;
  • obesidade;
  • colesterol alto;
  • reposição hormonal;
  • lesões anteriores, ainda que benignas, como cistos e calcificações na mama;
  • tumor de mama anterior.

7 sintomas do câncer de mama

sintomas do câncer de mama

Os sintomas da doença podem ser bastante diversos, variando de acordo com as características do tumor – tamanho, tipo e estágio. Os mais comuns e conhecidos deles são a presença de um nódulo indolor no seio e o endurecido da mama.

Entretanto, na maioria dos casos, não há presença de sintomas facilmente perceptíveis nos primeiros estágios. Por isso, é preciso ter atenção aos primeiros sinais e demais sintomas possíveis. Veja alguns deles a seguir.

1. Edema cutâneo

Pode se manifestar como uma irritação, abaulamento ou, ainda, um inchaço total ou parcial de uma das mamas — mesmo que o nódulo não seja palpável. Caracteriza-se pela retração da pele, que fica com o aspecto de casca de laranja.

2. Dor nas mamas

Embora a dor mamária seja um sintoma muito comum, mais frequentemente associado às alterações hormonais ou à mastite, há um tipo raro de câncer de mama que se apresenta como uma inflamação. Por isso, qualquer sintoma desse tipo deve ser relatado ao médico para investigação.

3. Secreção papilar

Trata-se da liberação espontânea de líquido pelo mamilo, especialmente quando se trata de uma secreção sanguinolenta, escura ou serosa. A saída de líquido é ainda mais suspeita quando é unilateral (ocorre em apenas uma das mamas).

4. Inversão do mamilo

Outro ponto de atenção são as alterações no aspecto dos mamilos. Pode ocorrer o espessamento ou retração da pele nessa região e até a inversão do mamilo. Outros casos apresentam descamação e ulceração, formação de crostas ou feridas, entre outras.

5. Vermelhidão na pele

O eritema na pele, ou seja, quando esta apresenta a cor vermelha intensa e é quente ao toque, também pode se considerado um sinal da doença. Em estágios mais avançados, é possível que aconteça a abertura de uma ferida na mama.

6. Nódulos nas axilas

Como foi mencionado, os tumores de estágio 3 e 4 frequentemente acometem glândulas linfáticas das axilas, causando a sensação de nódulo aumentado na mesma – linfonodos.

7. Outras alterações

Quaisquer outras alterações nas mamas e mamilos devem ser devidamente analisadas por um profissional especializado. Dentre elas, podemos citar coceira, mudança na coloração ou forma do mamilo ou auréola, veias aumentadas e mais evidentes, além de um sulco na mama (afundamento).

A importância do autoexame

Diante do início quase sempre silencioso da doença e da relação direta entre a cura e o diagnóstico precoce, é importantíssimo que as mulheres realizem o autoexame — nesse momento, vale lembrar que alterações na mama ocorrem naturalmente ao longo do ciclo menstrual, por isso, o melhor momento para uma avaliação mais atenta é alguns dias após a menstruação.

No entanto, em 90% dos casos em que o problema é detectado pela mulher, já há a presença de um nódulo. Para que um tumor seja sentido pelo toque dos dedos, é preciso que ele já tenha um tamanho considerável, ou seja, já tenha passado dos estágios iniciais da doença. Nódulos menores são detectáveis apenas por meio de exames de imagem, como as mamografias.

Dessa forma, mais importante do que a realização do autoexame das mamas, com técnica específica, é a manutenção da periodicidade dos exames médicos. Além disso, é preciso ter um olhar atento nos momentos do dia a dia, como no banho, propiciando a percepção, mesmo que por acaso, de qualquer alteração.

Michele Salvino
Meu nome é Michele Salvino. Estou no último semestre da faculdade de Nutrição. Sou apaixonada pelo estilo de vida saudável, por práticas que facilitem o bem-estar.