Inseminação artificial como funciona e quantos custa?

O método de inseminação artificial, também é chamado de inseminação intrauterina, que envolve a injeção de espermatozoides no útero da mulher durante o período de fertilização (isto é, durante a ovulação) para promover a combinação de gametas para formar um embrião.

O primeiro experimento de inseminação artificial foi realizado nos Estados Unidos em 1884. Por muito tempo, foi a única opção de gravidez para casais que sofriam de certos problemas de infertilidade. Ela existe no Brasil desde a década de 1970.

É considerado um procedimento de complexidade mediana, em comparação a outros métodos de fertilização. Por isso o custo é relativamente mais baixo em relação à média destes outros procedimentos.

No entanto, o preço do procedimento, pode variar bastante, considerando a região do país onde está a clínica e até o quadro de saúde do casal, por exemplo. Leia também: Benefícios do ômega 3 na gravidez.

Também é importante lembrar que os casais homoafetivos podem precisar de material doado, como óvulo ou sêmen o que também pode levar a variações no preço.

Para fazer os cálculos de forma precisa, é necessário procurar uma clínica e conversar detalhadamente sobre o seu caso. De maneira que o médico possa colocar todos os detalhes extras que podem ser necessários ou dispensados, entendendo quais serão as suas necessidades para o procedimento em questão.

Para quem é indicado o tratamento de inseminação artificial:

  • Homens com problemas de ejaculação por diversas razões;
  • Homens com alteração seminal leve (recomenda-se um espermograma para avaliar a fertilidade do homem);
  • Casais jovens, porém, com caso de esterilidade não detectada por exames prévios;
  • Mulheres com irregularidade da menstruação ou disovulia;
  • Demais casos em homens e mulheres onde a esterilidade foi detectada, porém sem um diagnóstico claro.
inseminação artificial o que é

Como é feita a Inseminação Artificial

1 — Primeiramente, o homem precisará coletar uma porção de esperma em casa ou no laboratório. As amostras são selecionadas em laboratório, separando os espermatozoides por motilidade e removendo células imaturas e restos celulares.

2 — O sêmen também pode ser obtido em um banco de esperma, se houver necessidade de doação.

3 — A mulher poderá tomar medicamentos indutores da ovulação (utilizados no coito programado) que podem ser tomados por via oral ou sob a pele por injeção. Durante a estimulação, ultrassom em série é realizado para monitorar o crescimento do folículo (no local dos ovos).

4 — Quando os folículos estiverem prontos, é administrado um medicamento que permite a liberação dos óvulos. No momento em que a mulher estiver ovulando, é marcada a colocação dos espermatozoides dentro do útero da mulher. É um procedimento médico realizado em uma clínica de reprodução humana.

5 — O processo é semelhante a um teste de Papanicolaou: é inserido um bico de pato na vagina da mulher e depois um cateter bem fino, por onde passam os espermatozoides. O posicionamento do cateter é feito usando um aparelho de ultrassonografia.

Os espermatozoides podem ser depositados no colo do útero, no processo chamado de inseminação ultra cervical, ou mais próximos às trompas, na inseminação intrauterina. O segundo método é o mais utilizado atualmente por apresentar melhores resultados.

6 — Depois de concluído todo esse processo, um teste de gravidez será realizado 12 dias depois.

Inseminação artificial preço

Inseminação (sem medicamentos inclusos): De R$ 2.500,00 a R$ 3.500,00.

Esses números refletem apenas uma média geral registrada no último ano.

Possibilidade de sucesso da inseminação artificial?

A taxa de sucesso por ciclo é de cerca de 20%. Com a inseminação artificial, quanto mais velha a mulher, menor a probabilidade de engravidar. Após os 35 anos, as chances de sucesso com esse método diminui.

Em caso de insucesso, costumam ser sugeridas até duas novas tentativas desse tratamento, que podem ser realizadas em ciclos subsequentes sem prejuízo.

Depois disso, o tratamento é considerado ineficaz e você deve conversar com um especialista para sugerir outras opções, como a fertilização in vitro.

Quando realizar a fertilização in vitro?

A fertilização in vitro é indicado para casais que estão realizando tentativas a mais de um ano após os 35 anos, além de:

  • Casais que tenham realizado tratamentos de fertilização, ou até mesmo inseminação artificial sem sucesso;
  • Mulheres que não possuem possibilidade de fecundação natural ou por inseminação, devido à ausência das trompas ou lesões tubárias;
  • Pacientes com endometriose profunda;
  • Número limitado de óvulos;
  • Infertilidade masculina de alto grau.

Como ocorre a fertilização in vitro?

Diferente da inseminação artificial em que a fecundação ocorre dentro do útero da mulher, a fecundação na fertilização in vitro ocorre em laboratório.

Os óvulos e espermatozoides são colhidos e fecundados em laboratório para que ocorra a observação adequada que garantirá o desenvolvimento correto dos embriões, para que na sequência possam ser transferidos ao útero e assim, iniciar o processo de gravidez.

Para ficar mais claro todo o processo, confira abaixo o funcionamento de cada etapa:

Estímulo Ovariano

Esse processo é necessário para que ocorra a produção de um número maior de óvulos, parte extremamente importante, já que nem todos os óvulos fecundados estarão aptos para serem implantados no útero, sendo escolhidos apenas aqueles que apresentem as melhores condições.

Durante o processo de estímulo ovariano da fertilização in vitro, a mulher recebe medicações e hormônios, com o acompanhamento da evolução dos folículos através de ultrassonografias e exames.

Punção

Quando o especialista comprova através da ultrassonografia que os folículos estão no tamanho adequado, e que existe um certa quantidade de óvulos — o médico realizará a programação da punção folicular, que ocorre após as 36hs que a mulher recebe a injeção de hCG que induzirá a maturação dos óvulos, como ocorre durante o ciclo natural.

Passada as 36hs, é realizada a Punção, em uma sala de operações com anestesia, para total segurança da paciente, e para garantir que não ocorra desconforto durante o processo, que pode durar em torno de 15 minutos.

Fecundação dos óvulos

Após a coleta dos óvulos maduros, chega o momento da reparação dos espermatozoides que são colhidos através de masturbação no mesmo dia. Com óvulos e espermatozoides colhidos é realizado o processo de fertilização no laboratório.

Período de cultivo

Trata-se do período em que os óvulos fecundados são observados para classificação do seu desenvolvimento, onde serão identificadas as falhas presentes e identificação dos melhores que serão utilizados.

Existem embriões que bloqueiam seu desenvolvimento através de falhas naturais do processo de divisão celular.

Existem casos em que é realizada a biópsia do embrião para que possa ser feito o estudo de algumas células, e assim identificar riscos de alterações genéticas que podem comprometer seu desenvolvimento e até mesmo a saúde do embrião.

Transferência

Após identificado os melhores embriões, é feita a introdução no útero materno. Trata-se de um procedimento simples, rápido e indolor, não sendo necessária a utilização de anestesia.

Após a transferência do embrião, aguarda-se o período de 7 a 12 dias para realização do exame de gravidez.

Os embriões restantes que apresentarem uma boa qualidade são vitrificados, para que em um novo tratamento não exista a necessidade de estimulação ovariana, tornando o processo mais rápido e cômodo.

Onde fazer inseminação artificial

O casal deve consultar um especialista, que vai tirar dúvidas sobre o procedimento, descobrir a causa da infertilidade e determinar o melhor tratamento.

A maioria das clínicas de fertilização realiza inseminação artificial. No entanto, é necessário verificar se o médico que o fará é especialista em medicina reprodutiva.

A escolha de locais com indicações de conhecidos ou ligados a grandes centros médicos também é indicada para maior segurança.