Dieta para cirurgia bariátrica cardápio

dieta branda
Dieta branda hospitalar

A cirurgia bariátrica e metabólica é indicada como uma forma de tratamento para obesidade, e o pós-operatório da cirurgia bariátrica requer cuidados específicos com alimentação e suplementos.
De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), em 2016, foram realizadas mais de 100 mil cirurgias desse tipo no país.

Outro aspecto importante nesse processo de emagrecimento após a cirurgia bariátrica é o acompanhamento de médicos, nutricionistas, psicólogos e demais profissionais da saúde. Além disso, é uma fase de mudanças no corpo e na rotina e o suporte da família e amigos também é necessário.

Cirurgia Bariátrica: Dieta Branda

No dia da internação, como preparatório para a cirurgia de estômago, é seguido dieta líquida semelhante à que será consumida no pós-operatório da cirurgia bariátrica.

O cuidado com a dieta no pós-cirúrgico da cirurgia bariátrica é referente à necessidade dadas pelas mudanças anatômicas e fisiológicas que cada tipo de cirurgia impõe.

Agora, entenda as fases do pós-operatório da cirurgia bariátrica, divididas em cinco dietas específicas, uma em cada etapa da recuperação.

dieta branda bariatrica

Fase 1

Dieta Líquida Clara

O principal objetivo desta fase é a hidratação e readaptação do trato digestivo e absortivo após o processo cirúrgico, quando há grande sensibilidade. Considerada uma dieta de baixo valor calórico- em média, 500 kcal/dia -, a Dieta Líquida Clara possui pouquíssimos ou nenhum resíduo alimentar, de forma a preservar o repouso intestinal.

Por este motivo, indica-se uma duração de 3 a 10 dias com base no consumo de sucos coados (evitando frutas ácidas), chás como camomila, cidreira e erva doce, água de coco e alguns caldos de legumes e carnes coados após o cozimento e sem gordura. Também é recomendado um volume entre 20 e 50ml em intervalos que variam de 10-30 minutos.

Fase 2

Dieta Líquida Completa ou Cremosa

Depois do período de readaptação do trato digestivo, é possível começar a introduzir alimentos mais cremosos da dieta, mas, ainda sim, líquidos. Desta forma, é possível garantir um consumo calórico um pouco maior sem comprometer o processo de emagrecimento e recuperação da cirurgia bariátrica.

Na Dieta Líquida Completa, alimentos liquidificados e coados ainda são necessários e a suplementação proteica deve ser priorizada. Nesta etapa, começam a ser introduzidos leite, iogurtes e sopas batidas no liquidificador. Gelatinas também são permitidas. Esta dieta deve durar de cinco a dez dias, de acordo com recomendação médica ou nutricional. Leia também: Dieta da USP resultados e Cardápio da dieta da USP Completo.

Fase 3

Dieta Pastosa

É nesta fase que a mastigação volta à cena e alimentos mais pastosos começam a ser reintroduzidos. Os pacientes que estão no pós-operatório podem consumir purês, papa de arroz, polenta, legumes esmagados como abóbora, chuchu e beterraba, caldo de feijão, carnes magras desfiadas e ovo mole, mexido ou em forma de omelete.

A Dieta Pastosa tem uma duração um pouco maior e recomenda-se o período de 20 a 30 dias. Nesta etapa, os alimentos ricos em proteínas devem ser priorizados (em média 75g/dia). Apesar de ser mais volumosa, ela ainda propicia certo repouso digestivo, devendo ser oferecida para ser mastigada com pouco esforço.

Fase 4

Dieta Branda

Na penúltima etapa do processo de readaptação, a Dieta Branda serve como uma preparação para a introdução de uma dieta normal.

Aqui o processo de mastigação já está restabelecido, mas o cuidado com os alimentos ainda é necessário. Eles devem ser bem cozidos para facilitar a mastigação e, por isso, são recomendados arroz e legumes bem cozidos, sopas, carnes magras macias ou desfiadas e frutas sem casca ou bagaço.

Recomenda-se também o período de 20 a 30 dias antes de o paciente partir para a dieta normal.

Fase 5

Dieta Normal ou Geral

Depois de todo o processo de repouso do trato digestivo e das fases de readaptação, incluindo o processo de mastigação, espera-se que o paciente esteja fisicamente preparado para reintroduzir em sua rotina uma dieta normal com todos os aportes calóricos necessários.

Nesta fase, os alimentos ricos em proteínas continuam sendo prioridade na dieta e devem ser consumidos entre 100g e 200g por dia. Os alimentos sólidos já podem fazer parte da alimentação, mas, ainda com o cuidado de observar sua textura a fim de tornar o processo de mastigação eficaz até que a recuperação seja completa.

Em todas essas fases é importante haver o acompanhamento médico e nutricional, garantindo mais qualidade de vida ao paciente, além de um processo de recuperação seguro e saudável.

Alimentos que devem ser evitados na dieta líquida restrita e dieta líquida

  • Alimentos ricos em açúcar, como doces, achocolatados, bolachas, bolos e sorvete
  • Temperos prontos e molhos industrializados
  • Bebidas gaseificadas, como refrigerante e água com gás
  • Bebida alcoólica
  • Sucos industrializados que contenham açúcar
  • Chá mate / preto, café, bebidas à base de cola ou xarope de guaraná
  • Pimentas (pó, grão, secas ou in natura) e hortelã

Alimentos que devem ser evitados – dieta pastosa

  • Alimentos na forma integral, como pães, macarrão, arroz e biscoitos
  • Legumes e verduras cruas
  • Frutas duras cozidas e macias, na consistência de papa
  • Alimentos ricos em açúcar
  • Temperos prontos e molhos industrializados
  • Bebidas gaseificadas
  • Bebida alcoólica
  • Sucos industrializados
  • Oleaginosas como nozes, castanhas, amêndoas e amendoim (in natura, cremes ou pastas)
  • Frituras
Michele Salvino
Meu nome é Michele Salvino. Estou no último semestre da faculdade de Nutrição. Sou apaixonada pelo estilo de vida saudável, por práticas que facilitem o bem-estar.